Análise – Freedom Planet [Nintendo Switch]

Já lá vão alguns anos desde que Freedom Planet foi originalmente lançado e acabou por se tornar uma referência dos jogos de plataformas. Este sucesso ditou que fosse lançado em mais plataformas e a Nintendo Switch foi a família de acolhimento mais recente.

Sem grande conhecimento sobre Freedom Planet, aproveitei esta versão para experimentar o jogo e escrever esta análise. Honestamente, não estava à espera de gostar tanto quanto gostei.

Freedom Planet é ao mesmo tempo um verdadeiro jogo de plataformas clássico e um misto entre história bem contada, com personagens que acabam por se tornar interessantes. Ao início, toda a representação deste mundo e personagens deixaram-me um pouco reticente, mas fiquei bastante surpreendido o quanto a história me agarrou.

Dentro do elenco principal existem três personagens, as quais podem ser utilizadas para jogar a história. Cada uma delas tem elementos de história, habilidades e funções próprias, abrindo um pouco mais o universo de jogo. As abordagens diferentes também oferecem formas de jogar diferentes que o tornam em algo mais diversificado.

Mas a melhor parte ainda é a jogabilidade. Com menos de uma hora de jogo, percebi o motivo pelo qual tudo me parecia tão familiar e intuitivo. Freedom Planet é uma mistura bem feita entre os jogos de Sonic originais e Rocket Knight Adventures, um dos meus jogos de plataformas favoritos. Como as personagens utilizam um misto de cada uma das mecânicas de cada jogo, cada cenário é ainda mais agradável e divertido de explorar.

Um ponto alto vai também para a duração e construção dos cenários. Muitos deles conseguem ir além dos 10 minutos de duração, aumentando muito mais se forem explorar cada recanto. O design destes está muito bem feito e é complicado que se percam ou confundam durante muito tempo sem encontrar qualquer tipo de caminho para seguir em frente.

O desafio de Freedom Planet é bastante equilibrado, mas consegue oferecer alguns momentos mais complicados quando nos coloca frente a frente com alguns bosses bem desafiantes. Outro ponto positivo é que estes bosses fazem quase sempre sentido no contexto da história e conferem uma boa chave de ouro para cada um dos vários cenários principais que vamos percorrendo.

O visual de Freedom Planet usa o mesmo modelo de pixels que podia ser encontrado na era das 16-bits com um trabalho um pouco melhorado no que toca às animações. No global é um jogo retro no verdadeiro sentido da palavra e que até engloba um bom detalhe. A banda sonora é bastante boa e encaixa bem no estilo de jogo. Por outro lado, nem todas as vozes são fantásticas, mas também não cometem nenhum pecado.

Embora seja um fã muito maior de RPGs, tenho sempre um lugar especial reservado para bons jogos de plataformas, afinal, foi um dos géneros que cresci a jogar. Porém, Freedom Planet acabou por ser um regresso aos clássicos de plataformas que não consigo deixar de adorar. Se são fãs de plataformas ou apenas de bons jogos, vão adorar Freedom Planet.

Positivo:

  • Plataformas à moda antiga
  • Bom misto de mecânicas
  • História interessante
  • Design dos cenários
  • Banda sonora

Negativo:

  • Quebras de fluidez
  • Nem todas as vozes são boas

 

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.