Análise – Final Fantasy XV: Episode Ardyn

  • Plataformas: PlayStation 4, Xbox One, PC
  • Versão de Análise: PlayStation 4
  • Informação Adicional: DLC. Imagens retiradas durante as sessões de jogo.

E finalmente chega a conclusão de Final Fantasy XV, ou pelo menos até ser lançada a novel com o conteúdo cancelado, mas no que toca ao jogo em si este DLC deverá ser a última peça que o mesmo irá receber, muito provavelmente terminando uma jornada de 2 anos desde o seu lançamento. Tecnicamente seria cerca de 13 anos desde o seu anúncio enquanto Final Fantasy Verus XIII, ou por volta de 6 ou 7 anos desde que o jogo transformou-se em Final Fantasy XV, mas para todos os efeitos isto é o fim.

Ao contrário dos DLCs anteriores que acrescentavam pedaços de informação sobre as personagens que iam deixando o grupo ao longo da história, e que o faziam de uma forma mais ou menos satisfatória, havendo sempre algo que podia ter sido melhorado, Episode Ardyn vem antes focar-se nos motivos que o antagonista do jogo possui, explorando o seu passado, o destino da sua amada e até a ambição do seu irmão.

O ponto mais forte deste DLC é obviamente a sua história e aquilo que acrescenta ao jogo, chegando até a mudar a minha perspectiva sobre a jornada de Noctis e amigos bem como a opinião sobre algumas personagens que o grupo encontrou. A abertura deste DLC é forte o suficiente para deixar-me curioso quanto a mais que não tenha sido contado sobre a história de Ardyn, levando-me até a querer uma prequela baseada na personagem ou outra espécie de conteúdo para a mesma. Mas será que após completar este curto DLC a minha opinião manteve-se, ou mudou?

Este DLC explora uns quantos pontos importantes da vida de Ardyn. No jogo principal o jogador fica a saber que a personagem é na realidade realeza, pertencendo à mesma linha real de Noctis, mas que após ter dedicado a sua vida a ajudar os outros fora recusado o seu direito ao trono, sendo que então Ardyn decidiu vingar-se dos Deuses e da linha de Lucis que o descartou como se fosse lixo.

Episode Ardyn conta-nos a vida da personagem na altura em que esta ainda andava a vaguear pelo mundo e a curar as pessoas doentes, absorvendo todos os seus males para o seu próprio corpo. Fica-mos também a conhecer Aera, a oráculo da altura e amada de Ardyn, e também Somnus, o irmão de Ardyn e primeiro Rei da linha de Lucis mas que na altura apenas era o segundo candidato ao trono. Para além disso este DLC também apresenta o momento em que Ardyn junta-se ao Império de Niflheim que está em guerra com o Reino de Lucis e até uma breve invasão que o mesmo faz à cidade de Insomnia cerca de trinta anos antes dos eventos do jogo principal.

Em termos de história o que este DLC oferece é bastante satisfatório pois não só apresenta um bom motivo para Ardyn como nos faz questionar as acções de certas personagens no jogo principal. Por outro lado agora existe mais clarificação sobre a razão pela qual Ardyn estava mais presente na jornada de Noctis e até de o ajudar de vez em quando. De certa forma tanto Ardyn como Noctis são personagens semelhantes no que toca ao destino que foi preparado para ambos, mas o caminho que as personagens seguiram acabou por se diferente devido a vários motivos, e este DLC torna-se mais interessante quando temos esse aspecto em conta pois também faz sobressair o tema de irmandade e dever de Final Fantasy XV.

Temos então uma pequena parte introdutória que basicamente serve como tutorial, onde Ardyn é finalmente libertado da sua prisão na qual esteve durante milénios. Uma secção de “exposição” numa base de Niflheim e por fim a atracção principal que é a cidade de Insomnia. Os fãs sempre quiseram explorar a cidade de Insomnia enquanto esta estava no seu auge e aqui podem finalmente realizar esse sonho…excepto que a cidade está completamente vazia e não oferece nada para além das batalhas contra os membros da Kingsglaive.

Este é o ponto mais decepcionante do DLC, não existe recheio tal como nos anteriores. Episode Ignis também sofreu um pouco deste aspecto e é também o DLC que mais semelhanças tem com Episode Ardyn, sendo que Episode Ardyn também inclui as partes de conquista de zonas que não oferecem realmente nada. Podem sempre destruir decorações festivas para aumentarem a vossa pontuação, ou comprar todos os chapéus que estão à venda (e que mudam a aparência de Ardyn), mas isso é tudo o que irão encontrar em Insomnia. Fora disso podem contar com um modo extra onde Ardyn tem de enfrentar Noctis e o seu bando.

Episode Ignis podia ter desfrutado de algumas adições como missões secundárias ou algo semelhante, e aqui volto a repetir esta sugestão. Seria interessante ver algo mais com Ardyn enquanto este ataca Insomnia durante a luz do dia e sem grandes preocupações para o tipo de resistência que será oferecido, em especial devido às suas habilidades. É certo que em termos de história seria um pouco complicado, uma vez que Insomnia ainda vai estar em pé durante mais trinta anos, mas se a Square Enix decidiu criar este pequeno ataque frontal então podia ter feito as coisas de outra forma como uma infiltração ou algo semelhante que podia ser usado como desculpa para Ardyn ficar a conhecer a cidade e o actual Rei de Lucis.

A jogabilidade com Ardyn é um pouco semelhante à de Noctis, mas é diferente o suficiente para destacar-se e fazer-se ouvir. Apesar de o jogador começar apenas com um par de habilidades, é possível aprender mais através do menu de Daemonization. Ardyn utiliza a sua espada, possuindo também a técnica de warp, e pode invocar Ifrit que irá realizar um ataque especial e depois fazer o que lhe apetecer durante um certo tempo. No entanto Ardyn conta com algo novo e que as outras personagens não possuíam.

Ardyn pode “demonificar” inimigos após um certo número de golpes ou quando outras oportunidades estão presentes. Teoricamente esta habilidade torna as pessoas em “Daemons” mas aqui as mesmas são imediatamente eliminadas após sofrerem uma “demonificação” (embora isto possa ser atribuído ao facto de Daemons não poderem viver na luz do dia). Esta é uma habilidade que o jogador vai utilizar várias vezes pois acaba por ser um takedown instantâneo, mesmo que os inimigos sejam fracos, apenas é uma desilusão que nada mais tenha sido feito com esta ideia pois seria interessante criar um pequeno exército para controlar à nossa vontade. No fim a jogabilidade de Ardyn é o suficiente para este DLC mas fica a faltar algo mais caso a personagem alguma vez ficasse disponível numa campanha de maior duração.

Em termos técnicos o jogo tem um aspecto um pouco melhor que o jogo base, tal como aconteceu com alguns dos DLCs anteriores. No entanto encontrei alguns problemas de animação com algumas personagens e outras coisas menores. Houve vários momentos durante as cutscenes em que os produtores decidiram fazer um estranho zoom na cara de Ardyn, o que por vezes fazia parecer com que a mesma tivesse um ar estranho como se estivesse deformada ou simplesmente esquisita.

Isto é tudo o que Episode Ardyn tem para oferecer. A não ser que não tenham mais nada para fazer e queiram perder tempo a passear por uma Insomnia vazia a combater o mesmo tipo de inimigo vezes sem conta, não irão retirar mais a partir da jogabilidade. A história é certamente o ponto mais alto e a parte mais importante que ninguém pode perder, contando até com algumas referências aos estados anteriores do jogo como aquele trailer de oito minutos onde Regis abraçava Noctis ou até o primeiro trailer de Final Fantasy Versus XIII com Noctis no carro, excepto que desta vez o modelo da personagem foi substituído.

Claramente a equipa ainda tinha muito por onde pegar e muito que queria fazer, mas os superiores assim o ditaram e Episode Ardyn é o fim desta saga.  Curiosamente este até que é um bom ponto de encerramento, mas ao mesmo tempo abre as portas para explorar muito mais, incluindo cenários alternativos já que os mais recentes DLCs decidiram apresentar esses cenários.

Muito provavelmente nunca iremos saber o que Final Fantasy Versus XIII realmente seria, e agora fica a ideia do que Final Fantasy XV queria ser mas que por várias razões não conseguiu realizar as suas ambições e desejos. No entanto Episode Ardyn é definitivamente o DLC mais importante para o jogo e algo que até deveria ter sido adicionado ao mesmo ao invés de ser um episódio extra, sendo algo que os fãs ou até aqueles que tiveram algum desapontamento com a história geral ou vilão devem experimentar.

Positivo:

  • Boa história

Negativo:

  • DLC podia contar com mais

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.

More Posts

Follow Me:
TwitterYouTube

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.