Análise – DanMachi (Vol. 9 – 10)

  • Volume: 9 – 10
  • Géneros: Acção, Aventura, Comédia, Fantasia, Harem, Romance, Seinen
  • Publicadora JP: SoftBank Creative
  • Publicadora ING: Yen Press
  • Formato: Light Novel

Após alguns volumes fora da dungeon, o nono volume de DanMachi decide convidar os nossos aventureiros a explorar a maior rival de quem segue esta profissão. O final do volume anterior apontava para algo grande que iria acontecer e muito provavelmente mudar o rumo da história em geral.

Este acontecimento foi grande o suficiente para ser dividido em dois volumes, o nono volume acaba por explorar mais sobre a história e os acontecimentos em questão, revelando várias coisas inesperadas. Enquanto que o décimo volume foca-se mais na acção e resultados dos eventos que acabam por acontecer.

 

SINOPSE (Vol. 9)

Having reached a new level of the Dungeon, the Colossal Tree Labyrinth, Bell meets a dragon girl named Wiene who can speak human language.

Once he learns she has come under attack from humans and monsters alike, he vows to protect her.

This decision brings chaos to the capital as the two navigate ruthless hunters, the irremediable strife between monsters and humans, and the plans of the Guild’s true leader.

The bizarre situation shakes humans, monsters, and deities to the core in volume nine!

 

Tal como é dito pela sinopse, a história do nono volume, e consequentemente do décimo, é o encontro entre Bell e Wiene, uma monstro que é capaz de falar e que possui inteligência ao nível de humanos, elfos, e semelhantes. Isto acaba por ser um acontecimento que muda a vida das personagens, tendo em conta que até ao momento monstros era o sinónimo de bestas ferozes e sem inteligência que apenas serviam para serem eliminados pelos aventureiros.

Com Wiene a chegar à vida de Bell, o jovem aventureiro e a sua Familia encontram-se numa situação complicada ao descobrirem a existência destes monstros impossíveis. O que abre as portas a várias perguntas que o nono volume acaba por responder perfeitamente, enquanto planeia a continuação da história para o décimo volume, fazendo uso da introdução de caçadores que andam atrás destes monstros raros e começando o confronto entre os dois lados.

O conceito destes dois volumes é algo bastante interessante neste tipo de histórias que normalmente apenas vê monstros como o inimigo a atacar e raramente explora o conceito de “humanidade” que os mesmos possuem. Obviamente que a simples ideia de monstros com vidas próprias acaba por ser um conceito alienígena para as personagens, e o autor também explora esse lado, ao ver como as personagens envolvidas reagem e ponderando a decisão de se o público geral fica melhor na escuridão ou não.

No final as decisões tomadas e os acontecimentos que deram lugar a este grande evento são importantes para a continuação da série. Estes acontecimentos adicionam um novo elemento para a história que poderão tornar-se mais importantes ao longo do o seu percurso e também para o desenvolvimento dos nossos heróis. Mas o mais importante é que o autor apresenta um novo cast interessante que pode usar para criar novas situações no futuro e explorar um lado que normalmente não é aproximado neste tipo de histórias.

Tanto o build up da história, e sessão de Q&A iniciada no nono volume como o confronto e a resolução dos eventos no décimo são satisfatórios. O autor consegue manter o mistério sobre o que irá acontecer durante o percurso destes dois volumes e ao mesmo tempo mantém o género de fantasia fresco com estas decisões. Tornando estes dois volumes num dos melhores até ao momento.

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.

More Posts

Follow Me:
TwitterYouTube

Mathias Marques

Editor oficial desde Agosto 2014 Para além de videojogos também gosto de anime. Podem ver-me a apregoar sobre ambos os assuntos no site em forma de notícia, artigo ou análise. Tenho a sorte de encontrar momentos parvos enquanto estou a jogar, ou de os criar eu mesmo.