Análise – Cyberdimension Neptunia: 4 Goddesses Online

  • Plataformas: PlayStation 4
  • Versão de Análise: PlayStation 4
  • Informação Adicional: Imagens retiradas durante as sessões de jogo.

A série Neptunia é uma que não tem medo de experimentar coisas novas, estando dividida na série numeral que mantém o mesmo estilo de jogo, indo aperfeiçoando uma ou outra mecânica já presente ou adicionando outras novas. E depois existem os spin offs, que por esta altura já abordaram vários géneros como um jogo de ritmo, um tactical RPG e até jogos hack n’ slash.

Cyberdimension Neptunia: 4 Goddesses Online é outro desses spin offs, que para os fãs da série, já ouviram falar várias vezes em como sendo aquele MMO que Vert passa a vida a jogar. No entanto não é um MMO de verdade mas sim um jogo que vem simular a vertente online de um MMORPG, tal como já tem acontecido em vários outros jogos já conhecidos, excepto que este mantém a alma da série Neptunia que todos já conhecem e estão habituados, bem como a jogabilidade básica.

Uma nova versão de 4 Goddesses Online entra em fase Beta, e as CPU da Gamindustri decidem tirar um pouco do seu tempo e experimentar o jogo que é baseado nelas, encontrando assim um mundo que simula uma vertente MMO num jogo single player. Este tem uma nova engine, estilo de combate diferente, e até a possibilidade de jogar online com 4 pessoas no máximo. Cyberdimension Neptunia: 4 Goddesses Online tem de tudo para impressionar e ser o melhor jogo da série, mas no final talvez existam algumas limitações que não foram ultrapassadas.

Começando pelo aspecto do jogo, a transição para Unreal Engine 4 ofereceu uma melhoria gráfica e a capacidade de o jogo puder usar mapas maiores com mais monstros presentes. O cenário tem um aspecto limpo, mas o motion blur ao virar a câmara é desconfortável, incluíndo as frame rate drops que por vezes ocorrem. Em algumas situações quando se está a entrar num mapa é possível ver o cenário a carregar as várias camadas visuais, algo que não costumava acontecer com os jogos anteriores da série.

A HUD tal como o jogo acaba por simular um MMO. Para além das informações relativas às personagens presentes em campo e no mini mapa, existe um log que indica os materiais coleccionados e experiência/dinheiro ganho. Em termos de combate existe uma barra com itens para usar durante o combate e a típica barra de habilidades, sendo possível trocar entre dois sets de barras para poder usar mais habilidades.

Para quem jogou os anteriores da série que receberam a mão da Tamsoft, este vai-vos ser bastante familiar. A jogabilidade é mais virada para a acção ao contrário do género musou que os outros dois spin off anteriores acabaram por adoptar. Existe apenas um botão para atacar, com um atalho para usar 4 habilidades e a possibilidade de mudar entre 2 sets da habilidades ao premir cima ou baixo no d-pad.

Para usar itens é necessário ter os mesmos equipados, sendo possível equipar até 5 itens. E falando em números, é possível ter quatro personagens em jogo ao mesmo tempo. Isto é importante porque ao contrário dos jogos da franquia principal, que eram RPGs por turnos, este é um jogo de acção, e a possibilidade de ter mais do que uma personagem em campo é uma melhoria em relação aos jogos de acção anteriores. O jogador fica a cargo de uma personagem enquanto a IA trata das restantes, sendo possível mudar as ordens das mesmas como “apenas focar em atacar” ou “focar em manter o jogador vivo”.

A qualquer altura podem mudar para outra personagem ou até alterar os membros presentes na vossa equipa. Isto não é feito com o premir de um botão mas sim no menu do jogo, tendo em atenção a inexistência um botão de pausa neste jogo, sendo que a actividade dos monstros presentes continua em efeito mesmo tendo o menu aberto. Faz sentido tendo em conta que vem simular um MMO e também devido ao facto de haver um modo online no jogo.

Talvez fosse demasiado esperar por um mundo totalmente aberto e ligado, pois Cyberdimension Neptunia: 4 Goddesses Online continua a fazer uso de um mapa mundo que já é habitual na série, com várias dungeons disponíveis para poder atacar e também a cidade base, que continua a ser apenas um monte de menus em formato de mapa. Existem várias lojas onde é possível comprar/vender itens, equipamento ou até melhorar o vosso equipamento actual, a guild para aceitar missões e também um local onde podem rezar (dar dinheiro) a troco de um bónus temporário.

Nesta cidade base é possível assistir a certos eventos que vão tendo lugar à medida que progridem na história, aparecendo sob a forma de pequenos avatares das várias personagens presentes no jogo. Tal como é habitual, são estes eventos que se tornam no ponto mais forte da série. A interação entre as personagens e a comédia, bem como as quebras ocasionais da quarta parede por parte de Neptune continuam em alta, em especial neste jogo onde existem pequenos skits como por exemplo o facto de um NPC estar a receber constantemente jogadores que vêm falar da sua vida, ou até a de um jogador que anda a tentar vender itens mas algo acaba sempre por acontecer.

A história conta com dois métodos de progressão, por vezes apenas é necessário ir até a um certo local num dos mapas, outras vezes o jogo requer a conclusão de missões na guild para desbloquear o próximo evento. As missões na guild estão divididas entre colecionar objectos, derrotar um determinado número de monstros ou enfrentar um Area Boss mais forte que o habitual, neste aspecto não existem novidades, mas é algo que a série podia começar a mudar para oferecer mais variedade.

Já a história em si não tem grande impacto, as pequenas skits que vão encontrando ao longo do jogo acabam por ser muito melhores em comparação à história de Cyberdimension Neptunia: 4 Goddesses Online, é pena que, tendo em conta a natureza da série Neptunia, esta oportunidade não ter sido devidamente aproveitada para ser ainda mais consciente do que o habitual, já que normalmente nos outros jogos da série, Neptune faz várias quebras da quarta parede ao falar sobre o facto de as  outras personagens estarem dentro de um videojogo, algo que neste esteve um pouco em falta durante a narrativa principal.

Como disse anteriormente existe um modo online que é possível aceder através de uma das opções disponíveis na cidade base. Basicamente tanto podem criar uma sala ou procurar por uma escolhendo uma missão em específico. Após isso até outros 3 jogadores podem juntar-se a vocês e estão prontos para atacar uma área. Não existe grande diferença em termos de jogabilidade, caso tenham uma AI ou outros jogadores convosco, e após terminarem uma missão e regressarem à cidade a sessão é terminada. Ou seja, caso estejam a planear em jogar com outras pessoas, terão que repetir o mesmo processo vezes sem conta. No que toca à qualidade do online, não tive nenhum problemas de ligação.

Falando sobre a AI, esta definitivamente precisava de melhorar um pouco. As personagens são obrigadas a ficarem numa formação específica, e caso a personagem principal que o jogador está a controlar esteja perto de uma obstrução, a AI vai ficar a andar de um lado para o outro em desespero para poder ficar na sua posição programada. Em combate depende da ordem que selecionaram para a AI fazer, mas caso deixem à disposição da AI, então a mesma vai focar-se principalmente em atacar os monstros e ignorar o resto.

Algo que tem vindo a ficar popular em jogos Japoneses ultimamente é a possibilidade de alterar a aparência das personagens, não falo em mudar de equipamento e isso reflectir-se na personagem, mas sim de poder mudar a cor do cabelo, roupa e até acessórios. Dos jogos que tenho jogado com essa opção tenho a dizer que Cyberdimension Neptunia: 4 Goddesses Online é o mais intuitivo no que toca a essa opção. As opções que oferece podiam ser mais vastas, mas é bastante fácil de usar para editar a aparência das personagens.

Com o uso do Unreal Engine 4 as cutscenes 3D têm um aspecto bastante melhor do que nos jogos anteriores, infelizmente o jogo não aproveitou a oportunidade para fazer mais uso desses momentos, continuando com as típicas conversas em formato visual novel, que devido ao novo engine faz com que as personagens fiquem estáticas, em vez de se moverem tal como nos jogos anteriores, perdendo assim um dos charmes da série.

A banda sonora por sua vez não tem grandes momentos. Funciona como ruído de fundo mas não possui força suficiente para sobressair. Em termos gráficos e performance, como referi antes, existe uma melhoria gráfica mas o motion blur e a quebra de frame rate é um problema constante. Devido a um motivo que não pude identificar, acabei por presenciar a repetição de um evento que tinha visto anteriormente, sem identificar qualquer tipo de novidade ou alteração.

Cyberdimension Neptunia: 4 Goddesses Online tinha tudo para, talvez, ser o melhor jogo da série: um novo engine que aumentava a capacidade do que podiam fazer, combate em forma de acção, modo online; mas no final estas novidades acabaram por ser o ponto mais fraco do jogo. O jogo em si funciona bem mas é bastante básico como um bolo de chocolate sem cobertura, sendo que o ponto que mais floresce são as habituais peripécias das personagens.

Positivo:

  • Personagens continuam a ser a melhor parte
  • Editor de aparência das personagens é bastante fácil de usar

Negativo:

  • Motion blur
  • Quebras de frame rate
  • AI podia ser melhor
  • Online é demasiado simples