Análise – Call of Duty: Black Ops 3

call-of-duty-black-ops-3-analise-review-pn-n_00035

Muito adorada por muitos e muito criticada por outros, a verdade é que a série Call of Duty continua a sair todos os anos, numa sequência que continua a dar frutos e manter os padrões esperados.

O mesmo se aplica a Call of Duty Black Ops 3, o terceiro episódio dentro de Black Ops, que acaba por ser um spin-off da série em si. Apesar de tudo, este é mais um que joga pelo seguro, para ser mais um jogo de qualidade.

Call of Duty Black Ops 3 expande naquilo que são os chavões da série, ou seja, campanha, online e modo zombies, todas elas ampliadas e consolidadas, sem riscos de maior.

O grande mote de todo o jogo é a vertente multijogador cooperativa, ou seja, seja qual for o modo que querem jogar, podem sempre jogar com outras pessoas, e isso até inclui a campanha, a qual foi pensada também de forma a albergar até 4 jogadores.

Como costumo preferir a campanha em vez do online, foi por ela que comecei. A história começa de forma interessante, mas tenho de reconhecer que a de Advanced Warfare conseguiu prender-me mais, fosse pelas personagens, pelo desenrolar da trama, ou até pela presença do verdadeiro vilão de forma constante.

A campanha foi feita a pensar numa espécie de jogo de acção com evolução, por isso existe incentivo para voltar a missões anteriores para melhorar a personagem e jogar com os amigos. Infelizmente, dado a forma como a história é contada e como as personagens parecem tão banais, este transforma-se num campo de treino feito a pensar no Online mais do que nunca.

Já que falamos dele, então vamos passar para o multijogador online, a eterna arma principal da série e onde todos os jogadores passam mais tempo.

Se jogam Call of Duty Black Ops 3 pelo online, então vão gostar de saber que este continua a ser bastante bom, variado, rápido e desafiante como sempre. Tal como a campanha, vão sentir que existe aqui muito de Advanced Warfare, mas aqui, acaba por servir como algo facilmente reconhecível, o que ajuda a entrar no online mais rápidamente.

Existem muitos modos clássicos e algumas novidades, como o um campo de testes para as acrobacias que podem fazer, como correr pelas paredes e saltar em maiores distâncias. São extras bem-vindos que oferecem alguma variedade. Não fiquei grande fã do modo de torneio que permite banir armas e habilidades, pois torna as partidas mais demoradas, embora seja uma boa aposta para e-Sports.

Não encontrei grandes problemas de lag ou conecções, mas senti-me menos esmagado desta vez, pois após meia dúzia de horas e depois de conhecer os cenários, já não era carne para canhão. Algumas mortes ainda parecem injustas, mas não tanto como me pareceu em Advanced Warfare. O mais equilibrado que tenho em mente continua a ser Call of Duty 4: Moden Warfare, mas isso eram tempos “mais simples”.

Mesmo assim, há muito tempo que não me divertia a jogar um Call of Duty online tanto como Call of Duty Black Ops 3, por isso já é um ponto muito positivo a seu favor.

Por fim, temos então o modo Zombies, que este ano chega com um sabor mais retro, tendo lugar num universo paralelo com um estilo vintage. Aqui, jogam com um de 4 personagens pré-definidos que embora não sejam muito diferentes, acabam por ter algumas habilidades especiais.

O cenário disponível é bastante grande, cheio de corredores e passagens que podem ser abertas, que dão acesso a novas armas, áreas, poderes e uma mutação paranormal que transforma a personagem num ser mais poderoso com tentáculos.

No fundo, este é um modo de sobrevivência com vagas de inimigos cada vez mais fortes e numerosas. Jogar em companhia é essêncial, pois as partidas conseguem ficar complicadas bastante depressa e com inimigos que nos matam bastante depressa.

Visualmente, Call of Duty Black Ops 3 consegue ser um jogo bastante impressionante e dentro do melhor que existe neste momento no mercado. Ainda sofre um pouco com a presença de alguns bugs e glitchs ocasionais, mas nada de grave. A banda sonora e vozes são bastante boas, dentro dos padrões de qualidade da série.

Apesar de ser um 3 em 1, Call of Duty Black Ops 3 é na realidade dois jogos, existe dum lado a campanha e o modo zombies que são um completo que se colmata e do outro existe o online que está tão bom como sempre. Por isso mesmo, continua a representar um bom valor pelo preço que pagam por ele.

Mesmo que tenha gostado mais de Advanced Warfare, Call of Duty Black Ops 3 é uma aposta mais que válida para quem gosta de FPS e obrigatória para quem joga a série pelo online.

Positivo:

  • Modo campanha, zombies e online numa só caixapn-recomendado-ana
  • Mecâncias de movimentação interessantes
  • Online muito bem feito
  • Tema do modo zombies é bem-vindo

Negativo:

  • Campanha deixa a desejar
  • Zombies algo limitado
  • Modo e-Sports quebra o ritmo de jogo
  • Campanha ausente da versão PS3 e Xbox 360

pn-muitobom-ana

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebook

Daniel Silvestre

Fã de jogos, filmes, anime e coisas do género. Jogo desde que me lembro e adoro RPG. Tenho uma grande colecção deles que tenciono acabar. Talvez um dia no lar da 3ª idade.

  • The Sir

    “Campanha ausente da versão PS3 e Xbox 360”
    Porque é que se trata de um ponto positivo?

    • Ruben Correia

      também fiquei por perceber essa :/

    • Daniel Silvestre

      Porque é negativo. Foi é mal colocado. Fixed : )