Análise – American Horror Story: Freak Show

American Horror Story Freakshow 5

A quarta temporada de American Horror Story centrou-se num tema clássico, os Circos de Horrores. Este é um tema que poderia ter sido explorado de várias formas, e inclusivamente esperava que a narrativa toma-se o formato mais clássico de heróis e vilões, felizmente tal não aconteceu.

American Horror Story Freakshow 2

American Horror Story Freak Show conta então a história de Elsa Mars (Jessica Lange), uma mulher Alemã que sonhava com o mundo do espectáculo desde pequena e também daqueles que a rodeiam. Desta vez e contrariamente ao que aconteceu no passado da série existem algumas personagens que sobressaem da alçada de Jessica Lange e acabam por, em vários momentos, ofuscar a personagem da mesma. Esta foi uma das mudanças que recebi de braços abertos, uma vez que a principio Elsa Mars é demasiado enigmática para que nos possamos interessar por ela.

American Horror Story Freakshow 1

Assim, com o início da história apercebemo-nos que Elsa dirige um circo de horrores chamado “Fräulein Elsa’s Cabinet of Curiosities”. Aqui residem grande parte das personagens que acabam por compor esta história, incluindo algo inédito em American Horror Story, a personagem Pepper da segunda temporada está de volta, sendo esta uma prequela à sua história. Esta é uma das personagens que mais gostei nesta temporada.

American Horror Story Freakshow 7

Outras “curiosidades” em destaque são as gémeas siamesas Bette e Dot, duas irmãs gémeas num mesmo corpo. A actriz Sarah Paulson interpreta ambas de uma forma brilhante, no entanto esta performance não seria a mesma sem a equipa de pós-produção por de trás desta série que certamente teve as mãos cheias com todas as personagens e está de parabéns.

American Horror Story Freakshow 3

Desde Jimmy, o rapaz lagosta, ao homem foca, mulher barbuda e homem forte, existe uma “aberração” para todos os gostos. No entanto e devido à época escolhida, o declínio do circo está presente em todos os momentos fazendo com que os momentos felizes existentes na série sobressaírem. Ao contrário das anteriores temporadas de American Horror Story, esta é uma temporada muito mais focada na tragédia. Inicialmente tive as minhas dúvidas quanto à primeira meia dúzia de episódios, foi uma montanha russa com episódios excelentes e outros a roçar o desastre. Mas pelo 7º episódio a história ganha ímpeto e fiquei bastante agradado com o que se seguiu.

American Horror Story Freakshow 6

Cada personagem em American Horror Story Freak Show tem o seu tempo de antena devido, na sua maioria é uma história sofrida e de como é ali no “Fräulein Elsa’s Cabinet of Curiosities” que encontraram a sua família. No entanto, existem algumas personagens que não fazem parte deste círculo de aberrações, pelo menos em aspecto. Para que esta não fosse apenas uma história de declínio e tragédia temporal, foram adicionadas algumas personagens muito estranhas e peculiares. Falo em particular de Dandy Mott e de uma outra a que vou chamar apenas Palhaço de modo a não estragar a história.



Estas personagens fazem parte de um núcleo bastante peculiar e dos quais não esperava ver nesta temporada e que acabaram por dar mais cor a uma história que me deixou maioritariamente interessado. Curiosamente as personagens que ficam com o papel de interpretar os maus da fita, acabam por receber um fim bastante interessante e a meu ver perfeito. Aquando do fim do último episódio existem poucas pontas soltas, o que é bastante satisfatório.

http://youtu.be/Gw1aarm2DuU

American Horror Story Freak Show é sem dúvida alguma muito mais interessante do que Coven, e de certa forma está a par com aquela que eu considero a melhor temporada de American Horror Story, Asylum. Recomendo esta temporada a todos pois trata-se de uma história tragicamente bela.

Positivo

  • Personagens bem desenvolvidaspn-recomendado-ana
  • Tema trabalhado de forma interessante
  • Tempo de antena bem distribuído entre personagens
  • Vilões recebem um fim apropriado tendo em conta a série
  • Últimos episódios carregados de emoções

Negativo

  • Demora a prender o interesse
  • Início da série é bastante confuso
  • Alguns pontos questionáveis situacionais

pn-muitobom-ana

Alexandre Barbosa

Videojogos e séries de TV são o seu meio de entretenimento favorito. Desde jogos de plataformas a RPGs todos os jogos são um hipotético interesse. Ganhou também alguns traumas com certos videojogos mas isso já era de esperar. Agora já posso parar de falar sobre mim na 3ª pessoa?

More Posts

Share

You may also like...